About Me

Minha foto
Lucio antonio G. silva
Brazil
Visualizar meu perfil completo

Seguidores

Centenário AD

Sou afiliado

Tecnologia do Blogger.
sábado, 30 de abril de 2011

Lição 5: A importância dos Dons Espirituais ,1 de Maio de 2011

                                                                  Texto Áureo
                          
          “Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes(1 Co 12.1).
___________________________________________________________________________________________________
                                                 VERDADE PRÁTICA
 Os dons espirituais são concessões do Espírito Santo, objetivando expandir, edificar, consolar e exortar a Igreja de Cristo, para que ela cumpra, eficaz e plenamente, a missão que Deus lhe confiou.
___________________________________________________________________________________________________
 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE


1 Coríntios 12.1-11.

1 - Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes.
2 - Vós bem sabeis que éreis gentios, levados aos ídolos mudos, conforme éreis guiados.
3 - Portanto, vos quero fazer compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: Jesus é anátema! E ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor, senão pelo Espírito Santo.
4 - Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo.
5 - E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.
6 - E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.
7 - Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um para o que for útil.
8 - Porque a um, pelo Espírito, é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência;
9 - e a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar;
10 - e a outro, a operação de maravilhas; e a outro, a profecia; e a outro, o dom de discernir os espíritos; e a outro, a variedade de línguas; e a outro, a interpretação das línguas.
11 - Mas um só e o mesmo Espírito opera todas essas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.


Contexto Histórico:

Na Igreja de Corinto estavam ocorrendo as coisas mais surpreendentes através da ação do Espírito Santo, mas em uma era de êxtase e entusiasmo pode haver uma excitação histérica, auto-engano e enganos totais assim como atos verdadeiros, e tanto neste como nos próximos dois capítulos Paulo fala a respeito das verdadeiras manifestações do Espírito. Esta é uma passagem muito interessante devido ao fato de que contém duas frases que eram gritos de batalha.

(1) Contém a frase  Jesus seja amaldiçoado [12:3, NVI]. Havia quatro formas nas quais podia surgir esta frase terrível. 

(a) Poderia ser utilizada pelos judeus. As orações na sinagoga incluíam regularmente uma maldição  a todos os hereges e apóstatas, e 1 Coríntios Jesus figuraria entre eles. E mais ainda, como Paulo bem o sabia (Gálatas 3:13), a lei judaica estabelecia: "Maldito seja aquele que é pendurado no madeiro." E Jesus tinha sido crucificado. Não seria estranho ouvir os judeus pronunciando seus anátemas sobre esse herege e criminal que os cristãos adoravam. 

(b) É bem possível que os judeus fizessem que os prosélitos que se viam atraídos pelo cristianismo pronunciassem esta maldição ou fossem excomungados de todo culto judeu. Quando Paulo estava relatando a Agripa seus dias de perseguidor,  disse: "E muitas vezes, castigando-os em todas as sinagogas, forcei-os a  blasfemar" (Atos 26:11). Uma das condições para permanecer na sinagoga deve ter sido pronunciar uma maldição contra Jesus Cristo. 

(c) Seja como fosse na época em que Paulo estava escrevendo, é verdade que mais tarde, nos dolorosos dias da perseguição, os cristãos eram obrigados por seus perseguidores a amaldiçoar a Cristo ou morrer. Na época de Trajano, a prova de Plínio, governador de Bitínia, era exigir das pessoas acusadas de ser cristãs que amaldiçoaram a Cristo.  Quando Policarpo, o bispo de Esmirna, foi detido, o procônsul Estácio Quadrado exigiu o seguinte: “Diga: ‘Fora os ateus’, jura pela divindade do César e blasfema contra Cristo.” E esta foi a grande resposta do ancião bispo: “Servi a Cristo por oitenta e seis anos, e nunca me fez nenhum mal. Como posso blasfemar contra meu Rei que me salvou?” Chegou certamente o momento em que os cristãos se viram confrontados com a escolher amaldiçoar a Cristo ou morrer. 

(d) Existia a possibilidade de que até dentro da Igreja, alguém num estado de delírio semi-enlouquecido gritasse: "Maldito seja Jesus." Nessa atmosfera histérica podia ocorrer qualquer coisa e poderia dizer-se que se tratava da obra do Espírito. Paulo estabelece que ninguém pode dizer uma palavra contra Cristo e atribuí-la à influência do Espírito.

(2) Mas junto a isto está o grito de batalha cristão Jesus é o Senhor. Enquanto a Igreja primitiva não tinha um credo, esta simples frase era seu credo (ver Filipenses 2:11). A palavra era kurios e era tremenda. Era 1 Coríntios o título oficial do imperador romano. A exigência dos perseguidores sempre era: “Diga: ‘César é  Senhor’ (kurios)." É a palavra grega por meio da qual se traduzia o nome santo de Jeová na tradução grega do Antigo Testamento. Quando um homem podia dizer "Jesus é Senhor", significava que outorgava a Jesus a fidelidade suprema de sua vida e a suprema adoração de seu coração. Devemos notar que Paulo cria  que um homem só podia dizer: "Jesus é o Senhor", quando o Espírito o capacitava a fazê-lo. O Senhorio de Jesus não era tanto algo que o homem podia descobrir por si só, como algo que Deus, em sua graça lhe revelava.


 Introdução:
O apóstolo Paulo foi o homem que Deus inspirou para escrever e ensinar a respeito dos dons do Espírito Santo (1 Co 12.1-31; 14.1-40). Muitos pentecostais, hoje, parecem desconhecer por completo a origem bíblica e os propósitos dos dons, bem como a doutrina bíblica em geral sobre eles (1 Co 12.7). Como a ignorância sempre acaba por acarretar prejuízos à Obra de Deus, estudaremos nesta lição a respeito deste tema tão relevante à Igreja de Cristo: Os dons espirituais na Igreja.

I. OS DONS ESPIRITUAIS                                        

 

1. O significado da palavra “dom” e o crescimento da Igreja. Na língua grega, a palavra “dom” está no singular — charisma (At 2.38). O termo tem mais de um sentido, pois há dons naturais (habilidades, aptidões e competências inatas), dons ministeriais (Rm 12.7,8) e dons espirituais (1 Co 14.1).
O livro de Atos relata que, na Igreja Primitiva, havia abundante manifestação de dons espirituais, e que estes ajudavam a promover a expansão e o crescimento do Evangelho, apesar de tanta oposição e dificuldades (At 5.12-16). A Igreja é o corpo de Cristo e a característica de um corpo são é que cada parte do mesmo realiza sua  própria função para o bem da totalidade. Mas unidade não significa  uniformidade, e portanto, dentro da Igreja há distintos dons e distintas funções; mas cada um deles é um dom do mesmo Espírito, e cada um deles está destinado não para a glória do membro individual da Igreja, mas para o bem da totalidade.

2. A concessão dos dons espirituais. Os dons espirituais acham-se disponíveis à Igreja de Cristo (At 2.39). Entretanto, não esperemos recebê-los como prêmio por algum serviço prestado a Deus. Sua concessão não depende de méritos pessoais; depende única e exclusivamente da vontade soberana do Espírito Santo (1 Co 12.7). Ele quer que os utilizemos para a edificação, exortação e consolação da Igreja de Cristo, a fim de que esta cumpra a missão redentora que lhe confiou o Senhor (Mt 28.19,20; Mc 16.17-20).
3. A manifestação do dom. De acordo com Stanley Horton, teólogo pentecostal, os dons são como “faculdades da Pessoa divina operando no ser humano”. Ou seja, o Espírito Santo manifesta-se através dos dons espirituais concedidos aos crentes (1 Co 12.7-11). Qual o propósito destas manifestações? Não é para o nosso deleite, ou demonstração de superioridade espiritual, mas para o fortalecimento e eesantificação da Igreja (1 Co 12.7; 14.12). Hoje é comum ligarmos a TV e ver alguns movimentos que fazem um verdadeiro show em relação aos milagres,entrevistam espíritos imundos , prometem de tudo , um dia destes encontrei no  youtube um vídeo onde um pastor promete trazer a pessoa amada em sete dias! Não é preciso pensar muito para saber de onde este sujeito tirou isso.

 

II. OS DONS DO ESPÍRITO SANTO E A ESPIRITUALIDADE


1. A espiritualidade e os dons. A espiritualidade de um crente não pode ser aferida pela manifestação dos dons espirituais. Pedro corrigiu esse equívoco logo nos primórdios da Igreja, quando o povo maravilhou-se ante a cura do coxo de nascença (At 3.1-11). Disse ele: “Varões israelitas, por que vos maravilhais disto? Ou, por que olhais tanto para nós, como se por nossa própria virtude ou santidade fizéssemos andar este homem?” (At 3.12). O apóstolo deixou claro que o milagre aconteceu não por seus méritos, mas através da fé em o nome de Jesus Cristo (At 3.16). O milagre é uma autenticação da mensagem do Evangelho para a salvação de vidas, não motivo de espetáculo (At 4.1-31).
Os pregadores primitivos acentuavam sempre o poder do Senhor ressuscitado. Nunca se viam a si mesmos como as fontes de tal poder, mas sim como canais do poder. Conheciam bem as limitações do que podiam fazer. Sabiam também que não havia limitações para o  que o Cristo ressuscitado podia fazer por meio deles e com  eles.Os crentes de Corinto possuíam variados dons espirituais (1 Co 1.7). Todavia, Paulo afirma que eles eram carnais: “Porque ainda sois carnais, pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois, porventura, carnais e não andais segundo os homens?” (1 Co 3.3). Nossa espiritualidade não pode ser avaliada por atos miraculosos, mas mediante o fruto do Espírito, manifesto em nossa vida (Gl 5.22).
 2. Os dons espirituais sem o fruto do Espírito. Os dons espirituais e o fruto do Espírito devem caminhar juntos para que a Igreja seja plenamente edificada e o nome do Senhor, glorificado (Ef 2.10). Uma árvore é identificada e conhecida mediante os seus frutos (Lc 6.44). Portanto, só viremos a aferir a espiritualidade de um crente através de suas obras realizadas mediante o fruto do Espírito e não apenas por seus dons espirituais (1 Tm 5.25).
Os dons estão relacionados ao que fazemos para Deus, enquanto que o fruto está relacionado ao que Deus, através do Espírito Santo, realiza em nós, moldando-nos o caráter de acordo com a entrega incondicional do nosso inteiro ser a Ele, e de conformidade com as demandas de sua Palavra. Ser crente implica em se ter uma conduta condizente com a fé que ostentamos (Mt 5.16).

3. Imaturidade espiritual e os dons. No que diz respeito ao uso dos dons, há uma nítida distinção entre uma criança e um adulto na fé. Paulo adverte aos crentes de Éfeso para que não ajam infantilmente (Ef 4.14). Os “meninos na fé” são aqueles que ainda não se desenvolveram espiritualmente e requerem um cuidado especial, pois são mais vulneráveis aos ventos de doutrina.
Tais crentes experimentam tudo o que lhes é oferecido. São facilmente seduzidos por falsos mestres e doutores. Há, ainda, os que além de imaturos são carnais: deixam-se levar por novas ideias, princípios e atitudes sem respaldo bíblico, resultando isso em conduta corrompida. Em nome de uma falsa revelação, distorcem a verdade de acordo com suas conveniências pessoais (2 Tm 4.3,4).
 Em toda Igreja há certos membros que necessitam proteção. Existem os que procedem como meninos dominados pelo desejo de novidades; estão sempre à mercê da última moda em religião; sofrem o influxo da última pessoa com quem falaram; padecem a incapacidade
infantil para concentrar-se no essencial da fé. A história nos ensina que as modas populares em religião vêm e passam; mas a Igreja continua para sempre. A história nos diz que mestres e evangelistas itinerantes surgem e desaparecem; mas a Igreja continua sua marcha. O alimento
sólido da religião deve-se encontrar sempre dentro da Igreja.

III. OS PROPÓSITOS DOS DONS ESPIRITUAIS                                            

1. Edificar a Igreja. O que dizer dos que utilizam os dons para fortalecer o seu marketing pessoal? Os dons do Espírito Santo são concedidos para a realização da obra de Deus, expansão de seu Reino e edificação da Igreja de Cristo. A comercialização de coisas santas constitui-se num gravíssimo pecado (At 8.17-21). Muito cuidado, pois, com o que Deus lhe concedeu. Não o utilize para a sua promoção nem para o seu enriquecimento. Lembre-se: nada podemos fazer sem a graça de Deus em nossa vida.
 Muitos tem tentado usar o Espirito Santo para se promover e as conseqüências são terriveis vamos nos lembrar do exemplo de Simão que achou que podia adquirir os dons  Espirito Santo por meio de dinheiro e usa-los a seu bel prazer.
2. Promover a pregação do evangelho. Os dons tomam a pregação do Evangelho mais eficaz, pois confirmam a Palavra de Deus que está sendo proclamada (Hb 2.3,4). Infelizmente, muitos utilizam os dons, principalmente os de curar, para atrair multidões. Enquanto isto, a mensagem que leva o pecador ao arrependimento é deixada de lado. De que adianta ser curado no corpo e ter a alma lançada no inferno?
A pregação verdadeiramente bíblica e pentecostal é centrada em Cristo e na sua morte na cruz. Cremos na cura divina e na operação de maravilhas. No entanto, este é o maior milagre: o novo nascimento que Deus opera no coração do pecador mediante a ação do Espírito Santo. O compromisso do Espírito é com a “palavra da cruz”, “o evangelho da salvação” (Ef 1.13; 1 Co 1.18).
3. O aperfeiçoamento dos santos (Ef 4.11,12). Os dons contribuem também para o desenvolvimento e aperfeiçoamento dos crentes. Todavia, para que isso aconteça, temos de utilizá-los com sabedoria. Observemos, pois, a recomendação bíblica quanto ao seu uso: “Mas faça-se tudo decentemente e com ordem” (1 Co 14.40).

                                                        
                                                       CONCLUSÃO

Nesta lição, destacamos que Deus deseja conceder dons espirituais aos crentes. Vimos também a importância e o propósito destes. A Igreja, por conseguinte, precisa não apenas ensinar os crentes a usar os dons, mas também incentivá-los a buscá-los.
Você tem buscado com zelo, fervor e oração os dons espirituais? Carecemos deles para que o povo de Deus seja edificado, consolado e fortalecido.


Bibliografia:
Revista CPAD 2º trimestre
Comentario Biblico Barclay


quarta-feira, 20 de abril de 2011

Lição 04- Espirito Santo -Agente Capacitador da Obra de Deus

                                                                  Texto Áureo
                          
.“E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até do que do alto sejais revestidos de poder(Lc 24.49).
___________________________________________________________________________________________________
                                                 VERDADE PRÁTICA
O Espírito Santo ajuda-nos a viver de maneira santa e habilita-nos a realizar, com eficácia, a obra do Senhor Jesus Cristo.
 
___________________________________________________________________________________________________
 

Introdução:

O Dia de Pentecostes inaugurou uma nova fase no relacionamento do Espírito Santo com a humanidade (At 2). Esse acontecimento também demarcou o início da capacitação sobrenatural — o “revestimento de poder” — para que a Igreja cumpra eficazmente a Grande Comissão que nos confiou o Senhor Jesus (Mt 28.19,20). Na lição de hoje, veremos que o Consolador atua em nossa conversão, auxilia-nos a viver de modo santo e  digno e habilita-nos a realizar a obra de Deus.
O Espírito Santo é o representante de Cristo; a ele está entregue toda a administração da igreja até a volta de Jesus.Cristo sentou-se no céu onde Deus "sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja", e o Espírito desceu para começar a obra de edificar o corpo de Cristo. O propósito final do Consolador é o aperfeiçoamento do corpo de Cristo.Como vimos no texto áureo os discípulos aguardaram em Jerusalém até serem revestidos de poder para enfim realizarem a obra de Deus, sem o Espírito Santo  não é possível realizar esta obra.
 

I. O RELACIONAMENTO DO ESPÍRITO SANTO COM A HUMANIDADE                                

 

 1. O Espírito Santo operando em nossas faculdades mentais. O Espírito Santo trabalha no coração e na mente do homem para que este se renda a Cristo, pois é da vontade de Deus que todos, sem exceção, sejam salvos (1 Tm 2.1-4). O Senhor Jesus Cristo ensinou que um dos trabalhos do Espírito Santo é justamente convencer o pecador dos seus erros (Jo 16.8-11), dando-lhe o entendimento necessário para que creia e se arrependa, sendo assim vivificado espiritualmente (Rm 8.1,2).
Através da ação do Espírito Santo o homem toma conhecimento que existem dois caminhos, Deus quer que todos se salvem e enviou seu Filho para isto, no entanto a rejeição deste sacrifício tem como conseqüência a condenação eterna.
 A Bíblia fala de um homem chamado Nicodemos ( João 3.1) que era doutor da lei,fariseu era rico e fazia parte do sinédrio, o conselho de governo da nação judaica. Provavelmente jejuava diversas vezes por semana, e passava todos os dias algum tempo no templo em oração. Dava o dízimo do que ganhava e, ao que parece, era um mestre religioso de destaque, Em certos círculos hoje ele seria considerado um cristão exemplar. Mas Jesus lhe disse que tudo de bom que ele fazia não era suficiente. Jesus lhe disse: "Todos vocês precisem nascer de novo" (João 3:7, BLH).
Jesus continuou, explicando que este novo nascimento – esta regeneração espiritual – é efetuado pelo Espírito Santo. "O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito" (João 3:8).

2. O Espírito Santo operando nos sentimentos e vontades. O convencimento intelectual do homem não é suficiente para levá-lo a receber a Cristo (Mt 7.26,27; Tg 1.21-25). Por isso, na esfera das emoções, é preciso que o pecador seja encorajado pelo Espírito Santo a inclinar-se às coisas espirituais, levando o homem ao arrependimento e a decidir-se por Cristo (Jo 12.42,43). Stanley Horton, teólogo pentecostal, afirma que “esse trabalho do Espírito Santo é chamado de ‘a doutrina da vocação’ ou do ‘chamamento’”. Estejamos certos de algo muito importante: é Deus, mediante o Espírito Santo, quem dá o primeiro passo em direção ao pecador. Todavia, é bom lembrar que Ele não restringe a liberdade do indivíduo e respeita o nosso livre arbítrio (Jo 12.47,48).

3. O Espírito Santo e a adoção. Sem a ação do Espírito Santo, jamais seríamos adotados pelo Pai (Rm 8.15). Adotar significa “pôr como filho”. Após decidir-se pelo Senhor Jesus Cristo, passamos a ser herdeiros de Deus e coerdeiros de Cristo (Rm 8.17). A partir desse momento, inicia-se o processo de falar e agir em conformidade com a Palavra de Deus (Rm 12.2). A boa notícia é que não estamos sozinhos; o Espírito de Deus fortalece-nos e ajuda-nos também nessa nova etapa (Gl 5.16-26).

 

                                            

 

II. O ESPÍRITO SANTO NA VIDA DO CRENTE

1. A presença constante do Espírito Santo. 
Como acabamos de verificar, mesmo após a conversão, o Espírito Santo continua a trabalhar em nossa vida, aperfeiçoando-nos o caráter, moldando-nos a personalidade e controlando-nos o temperamento. Sem essa presença e companhia constantes, não seria possível ao crente viver de maneira fiel na presença de Deus (Jo 14.16,17; Rm 8.9).
O Espírito Santo é Onipresente e nos acompanha durante toda a vida , Sem a atuação do Espírito Santo nunca veríamos com clareza a verdade divina sobre o nosso pecado, ou a respeito do nosso Salvador. Isto é o que eu acho que Jesus quis dizer em João 6:44: "Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia."
A Bíblia nos faz urna advertência solene de não resistirmos ao chamado do Espírito Santo. Lemos em Gênesis 6:3: "O meu Espírito não agirá para sempre no homem." Sem a "ação" do Espírito Santo é impossível chegar a Cristo. Mas há o perigo de passarmos do último "retorno", e de nossos corações se tornarem tão insensíveis e endurecidos pelo pecado que não ouvimos mais a voz do Espírito

2. O desenvolvimento da relação com o Divino Espírito Santo. 
Assim como o processo de adoção não termina com o ato em si (na realidade, é neste momento que tudo, de fato, inicia-se), da mesma forma ocorre quando, através da adoção (Rm 8.15), tomamo-nos “filhos de Deus” (Jo 1.12,13). A partir de então, passamos a desfrutar de um relacionamento que deve aprofundar-se e estreitar-se a cada dia (Jo 11.13). Evidentemente, uma das formas mais eficazes de desenvolver um relacionamento é desfrutar da presença da pessoa a quem amamos. Com o Espírito Santo não é diferente, precisamos buscá-lo e desejar-lhe a presença (At 5.32; 7.55; 9.31; 13.2; 2 Tm 1.14).
A relação do Espírito Santo conosco é dinâmica ou  seja está em constante evolução, se hoje ele nos usa com o dom da palavra amanhã poderá ser com cura,profecias e outros , um dos grandes erros de cristãos hoje em dia é achar que por já serem usados por Deus com o dom de Variedade de línguas a obra para neste ponto e não precisam mais buscar os demais dons .
3. Ser “cheio do Espírito Santo”. 
Paulo ensina que devemos manter-nos sempre cheios do Espírito Santo (Ef 5.18). Estar “cheio do Espírito Santo” ou “deixar que o Espírito nos encha” significa ser controlado, governado e guiado por Ele (Cl 5.16). Como filhos de Deus, precisamos de uma renovação contínua em nosso ser a fim de que sejamos instrumentos do Altíssimo.
Não existe nada pior que o cristão ser cheio do Espírito Santo  e começar a se tornar desleixado em relação a sua vida espiritual , devemos buscar constantemente a face de Deus pois ele tem muito mais para fazer em nossa vida , isto tem ocorrido com muita freqüência em nossos dias , o cristão começa cheio do Espírito Santo mas com o passar do tempo vai se esvaziando sem perceber , vai sendo tomado pelos afazeres do dia a dia começa a olhar mais para o lado que para cima , e sabe o que acontece quando se olha para os homens?  Vemos a  nós mesmos e definhamos espiritualmente ,somente quando nos voltamos para Deus é que evoluímos como cristãos .


III. O BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO CAPACITA-NOS A FAZER A OBRA DE DEUS

1. Intrepidez para testemunhar. 
Já aprendemos que o batismo com o Espírito Santo encoraja e fortalece o crente a testemunhar de Cristo, capacitando-o a cumprir a missão máxima da Igreja — a evangelização (At 1.8). Seu propósito não é somente capacitar-nos a falar línguas estranhas, mas preparar-nos para o serviço cristão. Os discípulos de Cristo, após receberem a promessa, saíram ousadamente a pregar a Palavra de Deus (At 4.13). Antes, eram tímidos e temerosos, porém, após o revestimento de poder, passaram a proclamar audaciosamente o Evangelho de Cristo e a realizar sinais, milagres e maravilhas (At 2.14-40; At 3.1-10). Você tem pregado o evangelho com abnegação, amor e poder?
Quantos tem buscado os dons do Espírito Santo e recebido , mas não tem cumprido o ide de Cristo  a capacitação que o Espírito Santo  oferece é para ser usada na obra de evangelização e na edificação do corpo de Cristo e não para proveito pessoal.

2. Formação de discípulos. 
Em o Novo Testamento, a palavra discípulo significa “aprendiz” e “seguidor do seu mestre”. Jesus chamou-nos a seguir seus passos. Você tem seguido os passos do Salvador? O próprio Mestre oferece-nos uma condição para que venhamos a ser, de fato, seus discípulos: “Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8.31b,32). O Espírito Santo é quem ajuda-nos a seguir os passos do Mestre, seu exemplo e seus ensinamentos.
Neste ponto, cabe-nos uma reflexão. Todas as atividades desempenhadas pela Igreja são importantes, mas a prioritária é a evangelização e a formação de discípulos (Mt 28.19,20). O progresso de uma igreja não pode ser medido, ou avaliado, apenas por suas atividades filantrópicas, educacionais e materiais. Estas, apesar de importantes, não constituem o principal trabalho da Igreja de Cristo. O progresso de uma igreja, por conseguinte, deve ser mensurado por seu trabalho missionário e evangelístico, juntamente com seus frutos espirituais, como resultado da semeadura da Palavra de Deus (At 6.2; 15.36-41).
3. Chamados para servir. Deus chamou-nos a servir. Muitos, recusando esse chamado, querem apenas ser servidos.As Sagradas Escrituras mostram que Jesus, nosso Mestre e Senhor, foi ungido pelo Espírito Santo para servir (Lc 4.18,19). Certa vez, Jesus declarou: “[...] o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a sua vida em resgate de muitos” (Mt 20.28). Se quisermos realmente servir ao Senhor com inteireza de coração, é preciso que sirvamos aos nossos irmãos (1 Jo 3.16-18). Assim agia Jesus, nosso perfeito modelo de líder servidor. Ele viveu para fazer a vontade do Pai e servir a todos (Mc 10.45). Você está disposto a servir ao Mestre? O que você tem feito — pela Igreja e pelas demais pessoas — com os dons e talentos que recebeu do Senhor? Um dia teremos que prestar contas de tudo que recebemos Dele

                                                         
                                                       CONCLUSÃO
Fomos chamados para a santificação e o serviço. Sabemos que ainda há muito trabalho a ser feito, por isso precisamos do revestimento de poder que vem do alto. Sem o Espírito Santo não conseguiremos cumprir as demandas e reivindicações da Grande Comissão (Mt 28.19,20; Mc 16.15), pois somente alguém cheio do Espírito Santo é capaz de ouvir, compreender e obedecer à voz do Senhor.

Bibliografia:
Revista CPAD 2º trimestre
Conhecendo as Doutrinas da Bíblia Myer Pearlman

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Lição 03. O que é o Batismo com o Espírito Santo

                                                                  Texto Áureo
                         
E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; não sou digno de levar as suas sandálias; ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo(Mt 3.11).___________________________________________________________________________________________________
                                                 VERDADE PRÁTICA
O batismo com o Espírito Santo é uma experiência subsequente à salvação, concedida por Deus aos seus servos, tornando-os aptos a cumprir a missão de pregar o Evangelho. 
___________________________________________________________________________________________________
 
 Introdução:


O batismo com o Espírito Santo é um tema atualíssimo e imprescindível à Igreja de Cristo. Muitos crentes, até mesmo pentecostais, não receberam ainda a gloriosa e necessária promessa por não compreenderem devidamente o que ela representa na vida do cristão. Neste domingo, aprenderemos o que é o batismo com o Espírito Santo.
Os que ainda não receberam a promessa pentecostal busquem-na zelosamente. Sim, busque-a com todo o zelo. Jesus quer batizar a todos com o seu Espírito Santo. Comemore o Centenário cheio do Espírito Santo e falando em novas línguas. Eis o que nos garante o Senhor Jesus: “Mas sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias” (At 1.5b).




                             O QUE NÃO É O BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO        

 

1.O batismo com o Espírito Santo não é a regeneração espiritual do pecador.

Ao longo da história da igreja Cristã, muitas foram as contradições doutrinárias acerca do batismo com o Espírito Santo. Alguns, desprezando até mesmo as evidências bíblicas e históricas da doutrina, alegam que o falar noutras línguas foi um fenômeno circunscrito ao período apostólico.
Outros confundem o batismo com o Espírito Santo com a salvação e a santificação. Eles desconhecem que, na obra regeneradora, o Espírito Santo transmite nova vida ao pecador conforme o texto de 2 Coríntios 5.17: “Quem está em Cristo nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”. Mas na experiência do batismo com o Espírito Santo, após a conversão, o crente é revestido com o poder do alto para testemunhar eficazmente de Jesus Cristo. Sabemos que todos os salvos em Cristo têm o Espírito Santo e que o nosso corpo é o seu templo (Jo 20.22; 1 Co 6.19). Mas nem todos os salvos são batizados com o Espírito Santo no momento da conversão. Se você ainda não recebeu a promessa, o momento chegou.
No primeiro século, o Espírito era conhecido por suas manifestações, mas do segundo século em diante era conhecido pela regra da igreja, e qualquer fenômeno espiritual que não estivesse em conformidade com essa regra era atribuído a espíritos maus. As mesmas causas, nos tempos modernos, têm resultado em descuido da doutrina e da obra do Espírito Santo, descuido reconhecido e lamentado por muitos dirigentes religiosos. Apesar desses fatos, o poder do Espírito Santo nunca deixou de romper todos os impedimentos do indiferentismo e formalismo, e operar com força vivificadora. Alguns teólogos tem tentado apagar a chama do Espírito Santo na igreja de Cristo alegando que sua obra cessou com os apóstolos , mas basta uma breve olhada na historia e veremos suas mãos guiando a Igreja de Cristo.

 

2. O batismo no corpo de Cristo não é o batismo com o Espírito Santo. 

 
 Muitos não compreendem devidamente o batismo com o Espírito Santo, por não fazerem uma exegese correta de 1 Coríntios 12.13: “Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito”. Paulo não faz aqui nenhuma referência ao batismo com o Espírito Santo, nem ao batismo em águas. William Menzies, teólogo pentecostal, explica que “nós somos batizados pelo Espírito em Cristo — isso é regeneração, novo nascimento”. Mais adiante, acrescenta: “Nós somos batizados com o Espírito por Cristo — essa é a capacitação para servir e ministrar!”.
3. O batismo com o Espírito Santo não é uma experiência exclusiva dos dias apostólicos
  Os cessacionistas negam a atualidade do batismo com o Espírito Santo com a evidência inicial do falar noutras línguas, ensinando que o fenômeno foi um sinal apenas para os dias apostólicos. Todavia, não encontramos nada nas Escrituras Sagradas que prove que o falar em línguas seja uma experiência restrita à Igreja Primitiva. Ao contrário, a Bíblia e a própria experiência demonstram a plena atualidade da promessa (At 2.39; 9.17; 19.1-6). Cessacionismo é a visão cristã de teólogos reformados  geralmente de origem puritana. Formulam que alguns dons do Espírito Santo foram úteis apenas para os primórdios da igreja cristã, tendo cessado essa manifestação no período da Igreja Primitiva.  Os cessacionista mais radicais não aceitam o dom de curas na igreja moderna.  Outros cessacionistas defendem a tese que o dom de profecias cessaram na boca de profetas humanos, sendo restrita à manifestação da profecia escrita na Bíblia Sagrada.  É unânime entre os cessacionista que o dom de línguas, nos moldes do falar em línguas, se encerrou nos tempos apostólicos.
Entendem os cessacionistas que tais e restritos dons serviam a um propósito, a fundação da Igreja Primitiva, em momento que os apóstolos teriam que cumprir o ide sem possuir qualificação de doutores ou mestres. O encerramento do livro teria fechado toda profecia fora da palavra. Aqueles que se opõem ao falar em línguas (que são antibíblicos em sua atitude, 1Cor. 14:39), afirmam que se faria melhor buscar o amor, que é o dom supremo. Eles são culpados de confundir os pensamentos. O amor não é um dom, mas um fruto do Espírito. O fruto do Espírito é o desenvolvimento progressivo da vida de Cristo enxertada pela regeneração; ao passo que os dons podem ser outorgados repentinamente a qualquer crente cheio do Espírito, em qualquer ponto de sua experiência.

II. O QUE É O BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO

I. 1. O falar em línguas como sinal do batismo. 

O Espírito Santo manifestou-se de diferentes maneiras no Antigo Testamento. Em várias ocasiões, homens de Deus profetizaram verbalmente sob a ação do Espírito Santo. Todavia, não há qualquer indício de que alguém tenha experimentado o dom de línguas. Pois o falar em línguas estranhas (se procuramos esta expressão na Bíblia não encontraremos o que há é variedade de línguas ou simplesmente línguas), seja como sinal, seja como o dom, é uma operação divina encontrada somente a partir de Atos 2. O falar em línguas como sinal do batismo com o Espírito Santo teve o seu início no dia de Pentecostes (At 2.4). Segundo o pastor Antonio Gilberto “é uma imersão do crente no espiritual e sobrenatural de Deus” (At 1.5).
Se no Antigo Testamento a atuação do Espírito Santo era esporádica e reservada a alguns, atualmente todos os crentes podem e devem buscar o batismo com o Espírito Santo e ao mesmo tempo pelo Espírito falar noutras línguas, pois é uma promessa a todos os salvos em Cristo Jesus (At 1.4; 2.38).
2. O dom de variedade de línguas. 

No batismo com o Espírito Santo, o crente, pelo mesmo Espírito, fala em línguas como sinal e evidência inicial da promessa recebida, isso não significa que ele recebeu o “dom de variedade de línguas”, pois, segundo pastor Antonio Gilberto, “é um milagre linguístico sobrenatural” e “nem todos os crentes batizados com o Espírito Santo recebem este dom (1 Co 12.30)”. Os dons são distribuídos segundo a vontade e o propósito de Deus. Não depende do querer do homem, mas da soberania divina (1 Co 12.11). Cabe a cada crente buscar com zelo os melhores dons (1 Co 12.31). Você deseja receber os dons espirituais? Então, ore, creia e busque com fervor, pois o Senhor irá conceder-lhos.
Paulo enumera nove desses dons, que podem ser classificados da seguinte maneira:
1. Aqueles que concedem poder para saber sobrenaturalmente: a palavra de sabedoria, a palavra de ciência, e de discernimento.
2. Aqueles que concedem poder para agir sobrenaturalmente: fé, milagres, curas.
3. Aqueles que concedem poder para orar sobrenaturalmente: profecia, línguas, interpretação. Esses dons são descritos como "a manifestação do Espírito", "dada a cada um, para o que for útil" (isto é, para o beneficio da igreja). Aqui temos a definição bíblica duma "manifestação" do Espírito, a saber, a operação de qualquer um dos nove dons do Espírito.
 
3. A finalidade do dom de línguas. 
O propósito primário deste dom não é edificar coletivamente a igreja, mas o crente de forma individual, oferecendo-lhe a oportunidade de ter um relacionamento maior com Deus (1 Co 14.2,4). Contudo, havendo interpretação (1 Co 14.5), as línguas cumprem a mesma função da profecia e edifica toda a congregação.

   III. A EXPERIÊNCIA DE ATOS 2


1. Glossolalia. No dia de Pentecostes, pessoas oriundas de várias nacionalidades, judeus e prosélitos, estavam reunidas em Jerusalém para a celebração da festa sagrada do Pentecostes (At 2.5). No momento em que o Senhor derramou o seu Espírito (v.15), a área do Templo estava repleta. As línguas estranhas, como sinal, que os discípulos de Jesus falavam chamaram a atenção da multidão deixando-a perplexa com o fenômeno (At 2.6-12). O falar em línguas, a glossolalia, é a manifestação física do enchimento do Espírito Santo. Tal fenômeno não se restringe a Atos 2, pois o encontramos em diferentes passagens (1 Co 12.30; 14.5,6).

2. Xenolalia. Segundo Stanley Horton, xenolalia “é o falar em línguas num idioma conhecido, estranho apenas a quem o fala”. No dia de Pentecostes, os crentes cheios do Espírito Santo falaram num idioma desconhecido para eles, mas, como a cidade de Jerusalém estava repleta de estrangeiros, estes puderam tomar conhecimento da mensagem do Evangelho em sua própria língua. O que vemos em Atos 2 foi uma concessão divina, a fim de que muitos pudessem crer em Jesus e receber a salvação. Foi um sinal para os incrédulos. Foi o batismo com o Espírito Santo acompanhado, simultaneamente, de uma mensagem de salvação. Ainda que raro este fenômeno repete-se segundo a soberania divina e em momentos em que ele faz-se necessário.

3. Atualidade das manifestações espirituais. O falar em línguas — tanto conhecidas como desconhecidas — quando provenientes do Espírito Santo, edificam o crente, a igreja e servem como sinal para os descrentes. A atualidade dessas manifestações é visível na vida de milhares de servos de Deus na experiência bíblica, durante a história da igreja e nos dias atuais, pois, como disse o apóstolo Pedro, “a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos e a todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar” (At 2.39).
                                                         
Fatos históricos

Os Huguenotes foi o nome dado ao calvinistas da França, houve manifestações carismáticas entre eles em Cevennes, durante a perseguição determinada por Louis XIV. Em seguida, uma nota sobre os huguenotes:
"Respeitando as manifestações físicas, há pouca discrepância entre os relatos de amigos e inimigos. As pessoas atingidas eram homens e mulheres, idosos e jovens. Muitos eram crianças com idades entre os nove ou dez anos. Eles emergiram do povo, disseram seus inimigos, da massa de ignorantes e sem cultura; sem poder ler e escrever, em sua maioria, e falando o jargão da província diariamente, que era a única coisa que poderia usar para falar. Tais pessoas caíam repentinamente para atrás e, permaneciam estendidas na terra, experimentavam contorções estranhas e aparentemente involuntárias; seus peitos pareciam inchar-se e seus estômagos inflar-se. Ao sair de tal condição, gradualmente voltavam a ganhar o poder da fala instantaneamente. Começavam, muitas vezes, com uma voz interrompida por soluços e logo derramavam torrentes de palavras, clamores de misericórdia, chamados ao arrependimento, exortações aos espectadores para que parassem de frequentar as missas, admoestações à igreja de Roma e profecias relativas ao juízo vindouro. Da boca de crianças emergiam textos da Escritura e discursos em um francês muito bom e fácil de entender, um [francês] que nunca usavam quando estavam conscientes. Quando o transe terminava, declaravam que não se lembravam de nada do ocorrido de que haviam dito. Em raras ocasiões recordavam impressões vagas e gerais, mas nada a mais. Não havia aparência de engano, nem indicação de que ao pronunciar suas predições com relação a eventos futuros, tivessem alguma idéia de prudência ou dúvida tocante a veracidade do que haviam predito."
Os Huguenotes
Um dos principais líderes desta igreja foi George Fox, que pregou uma mensagem sobre a nova era do Espírito Santo, ele em seu diário, diz o seguinte:
No ano de 1648, enquanto estava sentado na casa de um amigo em Notinghamshire (porque desta vez o poder de Deus tinha aberto os corações de alguns para receber a Palavra de vida e de reconciliação), vi que havia uma grande fenda que passava por toda a terra, e um grande humo iba( vegetação em decomposição) a medida que a fenda se abria caminho; depois da fenda, ocorria uma grande terremoto. Esta era a terra que havia nos corações das pessoas, a qual tinha que ser sacudida antes que a semente de Deus fora levantada da tumba. E assim sucedia: pois o poder de Deus começou a sacudi-los e grandes ministrações de adoração eram conduzidas, de tal maneira, que poderosas obras do Todo-Poderoso eram realizadas entre os crentes para o assombro, tanto das gentes como dos sacerdotes.
George Fox
Quando os cristãos hussitas foram perseguidos na Boêmia, encontraram em Dresden, Alemanha um refúgio no qual podiam procurar a Deus. Em 1727 o conde Ludwig Graf de Zinzendorf começou a organizar aos crentes desta corrente cristã em uma única igreja. Durante o mês de julho criou reuniões e vigílias de oração com os jovens, posteriormente encontrou um livro chamado Ratio Disciplinae o qual relatava como a igreja de Irineu se unia para buscar a presença de Deus. Os morávios dizem que o Espírito desceu sobre eles, e grandes sinais e maravilhas foram realizadas entre os irmãos naqueles días, prevalecendo uma maravilhosa graça entre si, e em todo o país."
John Wesley ministro anglicano e pai da igreja Metodista registra muitas histórias extraordinárias em seus diários, tais como a cura de pessoas, de animais, e do poder do Espírito Santo através da oração.
Grande Despertamento
Primeiro (c. 1730–1755)
Segundo (c. 1790–1840)
Terceiro (c. 1850–1900)
Quarto (c. 1960–1980
O Grande Despertamento foi um fenômeno espiritual que impactou a Inglaterra e Estados Unidos entre os anos 1735 e 1750. Durante este período teve grandes pregadores que influenciaram o pentecostalismo moderno.
  • George Whitefield 1714-1770. Ministro que aos 21 anos foi ordenado para pregar na Inglaterra. Chegou aos Estados Unidos por mais de 9 ocasiões ensinando desde Georgia hasta Nova Inglaterra.
  • Jonathan Edwards 1703-1758. Aos seus 19 anos começou a pregar numa igreja em Nova Iorque, depois foi ministro numa igreja de Yale e em 1726 foi pastor associado da igreja de Northampton, Massachusetts, donde seria pastor por mais de 25 anos, sendo uma das pessoas mais importantes do Grande Despertamento. Se diz que quando foi pregar em uma vila, as tabernas quebraram vazias e durante seus cultos ou reuniões, as pessoas gemíam e choravam devido as pregações.
  • Charles Finney 1792-1875. Foi um ministro proeminente e representativo dessa época, realizava grandes atividades evangelísticas. Implementava práticas metodistas dentro de igrejas presbiterianas e congregacionalistas. Pregava pontos wesleyanos como a santificação, e a perfeição cristã dada únicamente pelo Espírito Santo.
  • Dwight L. Moody 1875. Ministro que pregava na cidade de Chicago e de Nova Iorque, mencionou numa ocasião que tinha uma especial investidura de poder do alto, um batismo claro e inequívoco do Espírito Santo.
O Movimento de Santidade foi um movimento que dava muita ênfase que nesta vida presente pela fé, é possível obter a inteira santificação, ou perfeição cristã através do Espírito Santo. A partir de 1840 se iniciou a pregar sobre o batismo no Espírito Santo, seu principal contribuidor foi John Morgan, o qual escreveu: "O dom do Espírito Santo, em sua plenitude pentecostal, não devia restringir-se a igreja apostólica; é o privilégio compartilhado por todos os crentes.
Kittim Silva comenta que no ano de 1894 uns cem crentes foram batizados com o Espírito Santo na Carolina do Norte, falando em novas línguas. Eles perteneciam a um grupo religioso chamado União Cristã, Igreja da Santidade e em 1907 mudaram para Igreja de Deus. Esta igreja é conhecida como Igreja de Deus de Cleveland, por ser o lugar donde adquiriu mais força.

                                                    
                                                    CONCLUSÃO
 O batismo com o Espírito Santo não pode ser tratado somente como teoria ou possibilidade remota, mas como algo indispensável do Senhor para o seu povo. Precisa ser uma experiência vital para o crente e para a igreja, pois é um dom divino para os salvos em Jesus. Que venhamos a orar e a buscar o revestimento de poder. Enchei-vos do Espírito. como vimos nos fatos históricos o Espirito Santo continua a operar maravilhas no meio do seu povo .

Bibliografia:
Revista CPAD 2º trimestre
Conhecendo as Doutrinas da Bíblia Myer Pearlman
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pentecostalismo#O_derramamento_do_Esp.C3.ADrito_Santo

sábado, 9 de abril de 2011

Lição 2: Nomes e símbolos do Espírito Santo



E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sofre ele(Mt 3.16).

                                                    VERDADE PRÁTICA

A pluralidade dos nomes e símbolos do Espírito Santo revela sua divindade, obra e ministério na vida da Igreja de Cristo.

 

  introdução:

O Espírito Santo não é uma força, influência ou poder emanado de Deus. Ele é a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade. Sua atuação na Bíblia é marcante e plena: vai do Gênesis ao Apocalipse. A Palavra de Deus no-lo mostra como uma pessoa que age, decide, guia e cumpre o plano de salvação que o Pai traçou para a humanidade através do sacrifício vicário de seu Unigênito.
Nesta lição, estudaremos os nomes e símbolos do Espírito Santo. Por que este assunto é tão importante? Os nomes e símbolos do Espírito Santo revelam seu caráter e obra. Se quisermos aprender mais a respeito da fé pentecostal, precisamos conhecer melhor o caráter e o ministério do Consolador.

I. A PLURALIDADE DOS NOMES DO ESPÍRITO SANTO

Os nomes do Espírito Santo estão relacionados à sua obra e caráter. Entre os hebreus, o nome não era utilizado apenas para distinguir as pessoas, mas também para revelar-lhes o caráter e a índole como no caso de e Abraão teve seu nome mudado. Antes era ABRÃO, cujo significado era: Pai elevado/exaltado - Gn 11:27 . Depois de ter atendido ao chamado divino e ter depositado toda a sua confiança em Deus, o Senhor fez com ele uma aliança. A prova dessa aliança é que seus nomes se fundiriam, como acontece com os noivos que se casam. Deus passaria a ser chamado, a partir de então, como O DEUS DE ABRAÃO. E Abrão, por sua vez, passaria a ser chamado de ABRAÃO. Só que o nome Abraão não tem apenas as letras que enxergamos. O nome completo é ABRAHÃO - Abhrāhām. Tem uma letra H no meio. Esse H é uma das letras que compõem o nome pelo qual Deus é conhecido no Antigo Testamento - YHWH. Ou seja a principal letra do nome de Deus foi inserida no nome de Abraão. Esta letra H foi suprimida no nosso idioma porque em nossa gramática nós a consideramos sem utilidade na pronúncia. Todavia, ao pronunciarmos o nome Abraão estamos exaltando o nome do Deus Todo-poderoso, o Senhor Jeová. (Gn 25.26). Vejamos, pois, alguns dos nomes do Espírito Santo.


1. Nomes do Espírito Santo relacionados à Trindade. Na Palavra de Deus, há vários nomes que descrevem a deidade do Espírito Santo: Espírito de Deus, Espírito do Senhor, Espírito de Cristo e Espírito de Seu Filho (Gn 1.2; Is 11.2; Gl 4.16; Fp 1.19). Encontramos também nomes que relacionam o Espírito Santo diretamente a Deus e a Jesus: Espírito de Jesus (At 16.7) e Espírito do nosso Deus (1 Co 6.11).

2. O Consolador. Este é um dos nomes mais conhecidos do Espírito Santo. Ao ouvirem o Senhor anunciar a sua ascensão, os discípulos ficaram preocupados. Quem haveria de ajudá-los? O Mestre aquieta-lhes os corações, assegurando-lhes que não ficariam órfãos. Nós também não estamos sós neste mundo que jaz no maligno. Contamos com a doce presença do Espírito Santo. Jesus prometeu aos discípulos: “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre” (Jo 14.16). Ele está conosco! Você tem sentido a meiga presença do Consolador?
No grego, a palavra Consolador significa paracleto, e segundo a Bíblia de Estudo Pentecostal, paracleto é “alguém chamado a ficar ao lado de outro para ajudar”.). significa alguém chamado para ficar ao lado de outrem, com o propósito de ajudá-lo em qualquer eventualidade, especialmente em processos legais e criminais. Era costume nos tribunais antigos, as partes aparecerem no tribunal assistidas por um ou mais dos seus amigos mais prestigiosos, que no grego chamavam, "parácleto", e em latim, "advocatus". Estes assistiam seus amigos, não pela recompensa ou remuneração, mas por amor e consideração; a vantagem da sua presença pessoal era a ajuda dos seus sábios conselhos. Eles orientavam seus amigos quanto ao que deviam dizer e fazer; falavam por eles; representavam-nos, faziam da causa de seus amigos sua própria causa; amparavam-nos nas provas, dificuldades, e perigos da situação.
  
3. O Espírito da Verdade. O Consolador tem como missão revelar a verdade de Deus em Jesus Cristo (Jo 14.6). O Espírito Santo convence o homem do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8), levando-o a crer na única Verdade — Jesus Cristo.
O Espírito agirá como "promotor de Justiça", por assim dizer, trabalhando para conseguir uma condenação divina contra os que rejeitam a Cristo. Convencer significa levar ao conhecimento verdades que de outra maneira seriam postas em dúvida ou rejeitadas, ou provar acusações feitas contra a conduta. Os homens não sabem o que é o pecado, a justiça e o juízo; portanto, precisam ser convencidos da verdade espiritual. Por exemplo, seria inútil discutir com uma pessoa que declarasse não ver beleza alguma numa rosa, pois sua incapacidade demonstraria falta de apreciação pelo belo. Precisa ser despertado nela um sentido de beleza; precisa ser "convencida" da beleza da flor. Da mesma maneira, a mente e a alma obscurecidas nada discernem das verdades espirituais antes de serem convencidas e despertadas pelo Espírito Santo. Ele convencerá os homens das seguintes verdades:

(a) O pecado de incredulidade. Quando Pedro pregou, no dia de Pentecoste, ele nada disse acerca da vida licenciosa do povo, do seu mundanismo, ou de sua cobiça; ele não entrou em detalhes sobre sua depravação para os envergonhar. O pecado do qual os culpou, e do qual mandou que se arrependessem, foi a crucificação do Senhor da glória; o perigo do qual os avisou foi o de se recusarem a crer em Jesus. Portanto, descreve-se o pecado da incredulidade como o pecado único, porque, nas palavras dum erudito, "onde esse permanece, todos os demais pecados surgem e quando esse desaparece todos os demais desaparecem". É o "pecado mater", porque produz novos pecados, e por ser o pecado contra o remédio para o pecado. Assim escreve o Dr. Smeaton: "Por muito grande e perigoso que seja esse pecado, tal é a ignorância dos homens a seu respeito que sua criminalidade é inteiramente desconhecida até que seja descoberta pela influência do Espírito Santo, o Consolador. A consciência poderá convencer o homem dos pecados comuns, mas nunca do pecado da incredulidade. Jamais homem algum foi convencido da enormidade desse pecado, a não ser pelo próprio Espírito Santo."

(b) A justiça de Cristo. "Da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais" (João 16:10). Jesus Cristo foi crucificado como malfeitor e impostor. Mas depois do dia de Pentecoste, o derramamento do Espírito e a realização do milagre em seu nome convenceram a milhares de judeus de que não somente ele era justo, mas também era a fonte única e o caminho da justiça. Usando Pedro, o Espírito os convenceu de que haviam crucificado o Senhor da Justiça (Atos 2:36, 37), mas também ele lhes assegurou que havia perdão e salvação em seu nome (Atos 2:38).

(c) O juízo sobre Satanás. "E do juízo, porque já o príncipe deste mundo está julgado" (João 16:11). Como se convencerão as pessoas na atualidade de que o crime será castigado? Pela descoberta do crime e seu subseqüente castigo; em outras palavras, pela demonstração da justiça. A cruz foi uma demonstração da verdade de que o poder de Satanás sobre a vida dos homens foi destruído, e de que sua completa ruína foi decretada. (Heb. 2:14,15; l João 3:8; Col. 2:15; Rom. 16:20.) Satanás tem sido julgado no sentido de que perdeu a grande causa, de modo que já não tem mais direito de reter, como escravos, os homens seus súditos. Pela sua morte, Cristo resgatou todos os homens do domínio de Satanás, devendo estes aceitar sua libertação. Os homens são convencidos pelo Espírito Santo de que na verdade são livres (João 8:36). Já não são súditos do tentador; já não são obrigados mais a obedecer-lhe, agora são súditos leais de Cristo, servindo-o voluntariamente no dia do seu poder. (Sal. 110:3.) Satanás alegou que lhe cabia o direito de possuir os homens que pecaram, e que o justo Juiz devia deixá-los sujeitos a ele. O Mediador, por outra parte, apelou para o fato de que ele, o Mediador, havia levado o castigo do homem, tomando assim o seu lugar, e que, portanto, a justiça, bem como a misericórdia, exigiam que o direito de conquista fosse anulado e que o mundo fosse dado a ele, o Cristo, que era o seu segundo Adão e Senhor de todas as coisas. O veredito final divino foi contrário ao príncipe deste mundo — e ele foi julgado. Ele já não pode guardar seus bens em paz visto que Um mais poderoso o venceu. (Luc. 11:21, 22.)

4. Espírito de Graça. Sem o Espírito Santo não há arrependimento. É Ele quem nos convence dos nossos erros. Sem arrependimento verdadeiro, não há salvação pela graça. O Consolador comunica a graça de Deus a nós (Hb 10.29 e Zc 12.10).

5. Espírito de Vida. Sem o Espírito Santo, estaríamos mortos em nossos delitos e pecados (Ef 2.1). Ele operou em nós o novo nascimento e deu-nos nova vida em Cristo (2 Co 5.17).

II. OS SÍMBOLOS BÍBLICOS
1. A Bíblia e os símbolos. A Palavra de Deus é rica em linguagem simbólica. Por isso, precisamos da hermenêutica e da exegese para termos uma compreensão real e correta do texto bíblico. Muitos, por desconhecerem esta linguagem, acabam criando e atribuindo figuras e símbolos impróprios ao Espírito Santo. Para se compreender os símbolos é necessário interpretá-los dentro de seu contexto de origem. segue abaixo alguns exemplos de simbologia Biblica.

Símbolo
Significados
Texto Bíbico
Mulher
Igreja
Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. - Efésios 5:23
Animal ou Monstro
Rei ou Reinos
Estes grandes animais, que são quatro, são quatro reis, que se levantarão da terra. - Daniel 7:17
Chifre
Poder, Rei, Reino
E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão o poder como reis por uma hora, juntamente com a besta. - Apocalipse 17:12
Água
Nações, Raças, Povos e Línguas
E disse-me: As águas que viste, onde se assenta a prostituta, são povos, e multidões, e nações, e línguas. - Apocalipse 17:15
Vento
Guerra
1 - O SENHOR Deus diz: - Eu farei com que venha um vento destruidor contra a Babilônia e o seu povo. 2 - Mandarei estrangeiros para destruírem o país como o vento que joga longe a palha. Quando chegar esse dia de destruição, eles atacarão de todos os lados e deixarão a terra deserta. 3 - Não permitam que os soldados da Babilônia atirem as suas flechas ou vistam as suas couraças. Não deixem de matar os jovens! Destruam todo o exército! 4 - Eles serão feridos e morrerão nas ruas das suas cidades. 5 - Eu, o SENHOR Todo-Poderoso, não abandonei Israel e Judá. Mas o povo da Babilônia tem pecado contra mim, o Santo Deus de Israel. - Jeremias 51:1-5
Tempo
Ano
Porque o rei do Norte tornará, e porá em campo uma multidão maior do que a primeira, e, ao cabo de tempos, isto é, de anos, virá à pressa com grande exército e com muita fazenda. - Daniel 11:13
Dia
Ano
E, quando cumprires estes, tornar-te-ás a deitar sobre o teu lado direito e levarás a maldade da casa de Judá quarenta dias; um dia te dei para cada ano. - Ezequiel 4:6

2. Jesus utilizou alguns símbolos. O Mestre utilizou-se dos símbolos para ilustrar verdades espirituais a respeito da sua missão aqui na Terra (Jo 6.35; 8.12; 10.9; 14.6). A própria Bíblia, a Palavra de Deus, é representada por vários símbolos: espada (Hb 4.12), lâmpada (Sl 119.105), alimento (Jó 23.12), leite (1 Pe 2.2) e mel (Sl 19.10).

III. OS SÍMBOLOS DO ESPÍRITO SANTO

1. Fogo (Lc 3.16). No Antigo Testamento, “o fogo” fazia parte da liturgia hebreia: simbolizava a presença de Deus, a purificação e o juízo divino (Êx 3.2; Sl 50.3; Is 6.1-7). Em Lucas 3.16, o fogo é apresentado como elemento purificador na vida de quem recebe o batismo com o Espírito Santo. O Consolador ajuda-nos a viver em santidade, pois, em nós, efetua a santificação (2 Ts 2.13). 
Já regenerados pelo Espírito Santo, tornamos nosso corpo templo do Espírito Santo (1 Co 6.19). Isto significa que todas as nossas ações devem visar a glória de Deus. Ao sermos redimidos do mundo, passamos a pertencer unicamente a Ele. Deixe que o fogo do Espírito queime-lhe toda a impureza, fazendo real a presença de Deus em sua vida.

2. Água, rio e chuva (Jo 7.37,38). A água é vital para a natureza. Sem ela, o ser humano não vive. Deus utiliza-se desse elemento indispensável à existência para mostrar que o Espírito Santo sacia toda a nossa sede espiritual. No plano espiritual, água, rios e chuvas simbolizam o mover do Espírito na vida dos que recebem a Cristo (Jo 4.14). A renovação que a água produz significa a operação miraculosa do Espírito Santo na vida do homem, produzindo a regeneração e a vivificação espirituais (Tt 3.5). Em Isaías 44.3, o Senhor promete derramar água sobre o sedento, e rios sobre a terra seca. O profeta falava a respeito do derramamento do Espírito Santo sobre uma geração vindoura. A profecia começou a cumprir-se no dia de Pentecostes e prossegue através do Movimento Pentecostal, o maior avivamento da história da Igreja Cristã.

3. Selo (2 Co 1.21,22; Ef 1.13). Segundo o pastor Antonio Gilberto, “nos tempos bíblicos, o selo era usado para designar a posse de uma pessoa sobre algum objeto ou coisa por ela selada”. O selo indica propriedade, posse. Fomos selados pelo Espírito Santo quando aceitamos a Cristo como nosso único e suficiente Salvador. Hoje, pela fé, somos propriedade particular de Deus. Quando Cristo voltar para buscar a sua Igreja, subiremos com Ele, pois o Senhor virá buscar aqueles que lhe pertencem.
Como podemos ter certeza de que fomos selados? Segundo as Escrituras, o próprio Espírito Santo testifica com o nosso espírito que pertencemos a Deus (Rm 8.16). Não podemos nos esquecer que o Espírito Santo também é o penhor da herança celestial (Ef 1.14), isto é, a garantia de que receberemos a nossa herança, pois somos coerdeiros de Cristo (Rm 8.17a).

CONCLUSÃO

Hoje aprendemos mais um pouco sobre os simbolos do Espirito Santo 
espero que esta lição venha a alicersar ainda mais a nossa fé.

Bibliografia:
Revista CPAD 2º trimestre
Conhecendo as Doutrinas da Bíblia Myer Pearlman
www.PalavraPrudente.com.br

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Lição 1: Quem é o Espírito Santo


                                                                  Texto Áureo
                          
E eu rogarei ao Pai e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre(Jo 14.16).
___________________________________________________________________________________________________
                                                 VERDADE PRÁTICA
O Espírito Santo é a Terceira Pessoa da Trindade Santíssima e, à semelhança do Pai e do Filho, é Deus.
___________________________________________________________________________________________________

 
 Introdução:

No ano do Centenário das Assembleias de Deus no Brasil, iremos estudar mais uma vez  os fundamentos da fé pentecostal. Abriremos esta série de estudos, tratando sobre o Espírito Santo a Terceira Pessoa da Trindade, o divino Consolador. Nesta lição, você conhecerá mais a respeito do Consolador: sua deidade, personalidade, operações e manifestações. Quanto mais conhecermos o Espírito Santo, com temor de Deus e santidade, mais íntimos nos tornaremos dEle, e melhor compreenderemos a obra realizada por Ele. A doutrina do Espírito Santo, a julgar pelo lugar que ocupa nas Escrituras, está em primeiro lugar entre as verdades redentoras.Com exceção das Epístolas 2 e 3 de João, todos os livros do Novo Testamento contêm referências à obra do Espírito; todos os Evangelhos começam com uma promessa do derramamento do Espírito Santo.No entanto, é reconhecida como a doutrina mais negligenciada. O formalismo e um medo indevido do fanatismo têm produzido uma reação contra a ênfase na obra do Espírito na experiência pessoal.Naturalmente, este fato resultou em decadência espiritual, pois não pode haver um Cristianismo vivo sem o Espírito. Somente ele pode fazer real o que a obra de Cristo possibilitou. Inácio, grande pastor da igreja primitiva, disse: A graça do Espírito põe a maquinaria da redenção em conexão vital com a alma. Parte do Espírito, a cruz permanece inerte, uma imensa máquina parada, e em volta dela permanecem imóveis as pedras do edifício. Somente quando se colocar a "corda" é que se poderá proceder à obra de elevar a vida do indivíduo, pela fé, e pelo amor, para alcançar o lugar preparado para ela na igreja de Deus.


                                                I. A DOUTRINA DO ESPÍRITO SANTO:

 

1.A doutrina do Espírito Santo.

A pneumatologia é o estudo da pessoa, obra e ministério do Espírito Santo. O termo vem de pneuma (gr. "ar", "vento", "espírito"), cognato do verbo pnéo, "respirar", "soprar", "inspirar".Há teólogos, frios na fé, modernistas e irreverentes que, menosprezando o Espírito Santo, afirmam que Ele é tão somente uma força, ou poder, que emana de Deus. Todavia, o Consolador é a Terceira Pessoa da Trindade. Sim. Ele é uma pessoa em toda a sua plenitude, pois ensina, guia, consola e fala (Jo 14.26; 16.13; At 21.11). Como pessoa, o Espírito Santo chama-se a Si mesmo "Eu" (At 10.19.20).O Espírito Santo é uma pessoa ou é apenas uma influência? Muitas vezes descreve-se o Espírito duma maneira impessoal - como o Sopro que preenche, a Unção que unge, e o Fogo que ilumina e aquece, a Água que é derramada e o Dom do qual todos participam. Contudo, esses nomes são meramente descrições das suas operações. Descreve-se o Espírito duma maneira que não deixa dúvida quanto à sua personalidade. Ele exerce os atributos de personalidade: mente (Rom. 8:27); vontade (1 Cor. 12:11); sentimento (Efés 4:30). Atividades pessoais lhe são atribuídas: Ele revela (2 Ped. 1:21); ensina (João 14:26); clama (Gál. 4:6); intercede (Rom. 8:26); fala (Apo. 2:7); ordena (Atos 16:6,7); testifica (João 15:26). Ele pode ser entristecido (Efés. 4:30); contra ele se pode mentir (Atos 5:3), e blasfemar (Mat. 12:31,32). Sua personalidade é indicada pelo fato de que se manifestou em forma visível de pomba (Mat. 3:16) e pelo fato de que ele se distingue dos seus dons (1 Cor. 12:11). Alguns talvez tenham negado a personalidade do Espírito porque ele é descrito como tendo corpo ou forma. Mas é preciso distinguir a personalidade e a forma corpórea (possuir corpo). A personalidade é aquilo que possui inteligência, sentimento e vontade; ela não requer necessariamente um corpo.

2. O Espírito Santo no Antigo e Novo Testamento. O Espírito Santo está presente em toda a Bíblia. Na criação, no planejamento e na construção do universo (Gn 1.2; Sl 104.30). Ele também atuou na formação do homem (Jó 33.4). E agiu por intermédio dos juízes, reis, sacerdotes e profetas (2 Sm 23.2; Mq 3.8).O Espírito Santo fez-se presente, ainda, no nascimento e na vida terrena de Jesus (Lc 1.35; 4.1) . Ele Inspirou, capacitou e guiou os autores do Novo Testamento a registrar, fidedignamente, os principais episódios do ministério de Cristo (Lc 1.1-4; Jo 21.25). Sua atuação em Atos dos Apóstolos é tão marcante, que o livro é conhecido também como os “Atos do Espírito Santo”. O Espírito Santo é revelado no Antigo Testamento de três maneiras: primeira, como Espírito criador ou cósmico, por cujo poder o universo e todos os seres foram criados; segunda, como o Espírito dinâmico ou doador de poder; terceira, como Espírito regenerador, pelo qual a natureza humana é transformada.
3. O Espírito Santo na atualidade. No Dia de Pentecostes, o Espírito Santo foi derramado sobre a Igreja (At 2.2), enchendo a todos aqueles crentes e batizando-os, tal como prometera o Senhor (Lc 24.49; At 1.5). Após o Pentecostes, os discípulos passaram a pregar e a evangelizar vigorosa e eficazmente, alcançando Israel e as nações gentias sem impedimento algum (At 28.31).
Busquemos o poder do alto; mantenhamos acesa a chama pentecostal.
O autêntico pentecostes leva o crente a evangelizar com poder e dinamismo, a orar e a contribuir para a obra missionária. Precisamos do Espírito atuando poderosamente em nosso meio. Caso contrário, corremos o risco de compactuar com o mundo (Rm 12.2; 1 Jo 2.15). Laodiceia tornou-se intragável, porque havia se tornado espiritualmente morna (Ap 3.15b). Busquemos, pois, o poder do alto, e lancemo-nos à conquista do mundo para Cristo no poder do Espírito Santo (At 1.8).

                                             II. A ASEIDADE DO ESPIRITO SANTO

 I. A aseidade e existência do Espírito Santo. A palavra aseidade advém do latim aseitatis e serve para designar o atributo divino, segundo o qual Deus existe por si próprio. Assim como o Pai e o Filho, o Espírito Santo é auto-existente. Ou seja: não depende de nada fora de si para existir. Ele sempre existiu; é um ser incausado; “não teve princípio de dias, nem fim de existência” (Hb 7.3). De eternidade a eternidade, o Espírito Santo é Deus. O autor da Epístola aos Hebreus apresenta o Consolador como “o Espírito eterno” (9.14). Ele tem existência própria. Mas isso não significa que esteja separado da Trindade. O Pai, o Filho e o próprio Espírito Santo, embora distintos como pessoas, constituem a mesma essência indivisível e eterna da divindade. O Espírito Santo é divino no  sentido absoluto Prova-se sua divindade pelos seguintes fatos: Atributos divinos lhe são aplicados; ele é eterno, onipresente, onipotente, e onisciente (Heb. 9:14; Sal. 139:7-10; Luc. 1:35; 1 Cor. 2:10,11). Obras divinas lhe são atribuídas, como sejam: criação, regeneração e ressurreição (Gen. 1:2; Jo 33:4; João 3:5-8; Rom. 8:11). é classificado junto com o Pai e o Filho (1 Cor. 12:4-6; 2 Cor. 13:13; Mat. 28:19; Apoc. 1:4).
2. Atributos incomunicáveis do Espírito Santo. O Espírito Santo possui todos os atributos divinos. Em primeiro lugar, Ele é imutável. Sua essência e caráter não podem ser alterados. A imutabilidade, por conseguinte, é um atributo que pertence exclusivamente á divindade (Rm 1.23; Hb 1.11).
a) Onipresença. Ele está presente em todos os lugares ao mesmo tempo. Não podemos fugir à sua presença (Sl 139.7). Como ê bom saber que podemos contar com a sua companhia em todo o tempo.
b) Onisciência. O Espírito Santo tudo sabe e tudo conhece. Ele nos sonda e nos prova quanto às intenções de nosso coração (1 Co 2.10). Ninguém pode mentir àquEle que sabe toda a verdade. Lembra-se de Ananias e Safira? Nada escapa ao conhecimento do Espírito Santo. Sua compreensão é infinita. Ele tudo sabe e nada ignora (Sl 139.2.11,13).
c) Onipotência. Ele é Deus. Não há impossíveis para o Espírito Santo. O homem é limitado, mas o Consolador tudo pode fazer. Ele sustenta todas as coisas (Hb 1.3). E o maior milagre que Ele opera no homem ê o do novo nascimento (Jo 3.3)

                                             III. A PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO


1. O Espírito Santo tem personalidade. Você sabe o que é personalidade? De acordo com o pastor Antonio Gilberto, “é o conjunto de atributos de várias categorias que caracterizam uma pessoa”. As Escrituras mostram com clareza e simplicidade que o Espírito Santo é uma pessoa. Suas ações evidenciam esta verdade. Ele ensina (Jo 14.26), testifica (Jo 15.26), guia (Rm 8.14) e intercede por nós (Rm 8.26). Ele possui qualidades intelectivas: “Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus” (1 Co 2.10,11). De acordo com Ron Rhodes, a palavra grega para penetrar significa “investigar profundamente”. No versículo 11, a Palavra de Deus afirma que o Espírito Santo “sabe” os pensamentos de Deus.
2. O Espírito Santo tem emoções. “E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o Dia da redenção” (Ef 4.30). Sim, o Espírito se entristece ante a desobediência consciente, crescente e contínua do homem para com Deus (Is 63.10). E a tristeza é algo que somente uma pessoa pode experimentar. Quando pecamos, entristecemos o divino Consolador que em nós habita. Deixemos de lado, pois, tudo que possa entristecê-lo (Ef 4.25-29).
3. O Espírito Santo tem vontade. “Mas um só e o mesmo Espírito opera todas essas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer” (1 Co 12.11). O texto bíblico mostra a vontade e a soberania do Espírito Santo. Segundo Ron Rhodes, a palavra grega bouletai, traduzida por “querer”, refere-se à decisão proveniente da vontade, após deliberação prévia, caracterizando o exercício volitivo de uma pesso
                                                         
                                                       CONCLUSÃO

Precisamos conhecer melhor o Espírito Santo, pela nossa total e continua rendição e comunhão com Ele para entendermos devidamente suas manifestações.O Espírito Santo é o representante de Cristo; a ele está entregue toda a administração da igreja até a volta de Jesus.
Bibliografia:
Revista CPAD 2º trimestre
Conhecendo as Doutrinas da Bíblia Myer Pearlman

EBD

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...